domingo, 30 de outubro de 2011

IMIGRAÇÃO NO BRASIL

História da imigração no Brasil

Podemos considerar o início da imigração no Brasil a data de 1530, pois a partir deste momento os portugueses vieram para o nosso país para dar início ao plantio de cana-de-açúcar. Porém, a imigração intensificou-se a partir de 1818, com a chegada dos primeiros imigrantes não-portugueses, que vieram para cá durante a regência de D. João VI. Devido ao enorme tamanho do território brasileiro e ao desenvolvimento das plantações de café, a imigração teve uma grande importância para o desenvolvimento do país, no século XIX.
Em busca de oportunidades na terra nova, para cá vieram os suíços, que chegaram em 1819 e se instalaram no Rio de Janeiro (Nova Friburgo), os alemães, que vieram logo depois, em 1824, e foram para o Rio Grande do Sul (Novo Hamburgo, São Leopoldo, Santa Catarina, Blumenau, Joinville e Brusque), os eslavos, originários da Ucrânia e Polônia, habitando o Paraná, os turcos e os árabes, que se concentraram na Amazônia, os italianos de VenezaGênova, Calábria, e Lombardia, que em sua maior parte vieram para São Paulo, os japoneses, entre outros. O maior número de imigrantes no Brasil são os portugueses, que vieram em grande número desde o período da Independência do Brasil
Após a abolição da escravatura (1888), o governo brasileiro incentivou a entrada de imigrantes europeus em nosso território. Com a necessidade de mão-de-obra qualificada, para substituir os escravos, milhares de italianos e alemães chegaram para trabalhar nas fazendas de café do interior de São Paulo, nas indústrias e na zona rural do sul do país.  No ano de 1908, começou a imigração japonesa com a chegada ao Brasil do navio Kasato Maru, trazendo do Japão 165 famílias de imigrantes japoneses. Estes também buscavam os empregos nas fazendas de café do oeste paulista.
Todos estes povos vieram e se fixaram no território brasileiro com os mais variados ramos de negócio, como por exemplo, o ramo cafeeiro, as atividades artesanais, a policultura, a atividade madeireira, a produção de borracha, a vinicultura, etc. 
Atualmente, observamos um novo grupo imigrando para o Brasil: os coreanos. Estes não são diferentes dos anteriores, pois da mesma forma, vieram acreditando que poderão encontrar oportunidades aqui que não encontram em seu país de origem. Eles se destacam no comércio vendendo produtos dos mais variados tipos que vai desde alimentos, calçados, vestuário (roupas e acessórios) até artigos eletrônicos. 
Embora a imigração tenha seu lado positivo, muitos países, como por exemplo, os Estados Unidos, procuram dificultá-la e, sempre que possível, até mesmo impedi-la, para, desta forma, tentar evitar um crescimento exagerado e desordenado de sua população. Cada vez mais medidas são adotadas com este propósito e uma delas é a dificuldade para se obter um visto americano no passaporte.
Conclusão: O processo imigratório foi de extrema importância para a formação da cultura brasileira. Esta, foi, ao longo dos anos, incorporando características dos quatro cantos do mundo. Basta pararmos para pensar nas influências trazidas pelos imigrantes, que teremos um leque enorme de resultados: o idioma português, a culinária italiana, as técnicas agrícolas alemãs, as batidas musicais africanas e muito mais. Graças a todos eles, temos um país de múltiplas cores e sabores. Um povo lindo com uma cultura diversificada e de grande valor histórico.



Herança dos imigrantes

De influência italiana notamos: as festas de igreja, comilança de Natal, presépios, massas como macarronada e pizzas, vinhos gaúchos, figas, capelinhas e cruzeiros à beira das estradas, procissões, ex-votos, etc.

Herdamos dos japoneses várias coisas como : artes maciais (judô, taicondo, karatê, jiu-jitsu), ou comer peixe cru com "palitinhos". O yoga também veio do Japão. O Sakê é uma bebida alcoólica.
Muitos quadros nossos têm influências japonesas. Existem esculturas de gatos brancos com o olho bem redondo que dá sorte.
JANKENPON (o nosso jokempo) é uma brincadeira tradicional japonesa que é usada para decidir a ordem do jogadores ou ganhadores (GU significa "pedra", CHOKI "tesoura" PA "papel")
ORIGAMI E KIRIGAMI: em japonês, gami significa papel, kiri e ori significam cortar e dobrar, respectivamente. Essas duas tradicionais artes orientais produzem as mais variadas figuras, como flores, animais, imagens geométricas e decorativas em geral, a partir de cortes e dobraduras minuciosos em simples folhas de papel. São usadas no Japão há séculos para enfeitar altares dos templos. Rica em detalhes, a arte do origami e kirigami, amplamente difundida em todo o mundo, requer paciência, precisão e concentração. Sua prática tem sido recomendada também para fins terapêuticos.

Com os alemães aprendemos a comer e beber: cerveja, carne salgada, porco, batata, salsicha, bock e cucas. Com esse povo aprendemos a dar ovos de Páscoa, descobrimos que o Papai Noel é chamado de São Nicolau por eles, começamos a usar o pinheirinho de Natal para enfeitar a casa, e a fazer uma festa da cerveja chamada Oktoberfest. Este povo nos trouxe as danças: valsa e xote. O esporte que os alemães trouxeram para o Brasil foi a bocha.

Dos poloneses, herdamos a culinária: sonhos que são recheados com geléia de frutas na Polônia e aqui no Brasil o recheio foi substituído por creme.

Dos ucranianos, herdamos também costumes - A arte de colorir ovos (PÊSSANKA) que representa, para quem os recebe, vida nova, tem como suporte ovos de galinha, usa desenhos geométricos, figuras e símbolos religiosos originários da Ucrânia. Dança - Polka (muito popular na Ucrânia comparada às nossas quadrilhas juninas).

O frevo foi herdado da cultura russa: o início dos contatos da Rússia com o Brasil remonta ao início do século 19. O primeiro contato registrado pela História aconteceu em 1804 durante a primeira expedição russa de volta ao mundo. Conta a lenda, que a tripulação foi convidada para uma festa naquele porto e, durante a mesma, os marinheiros russos fizeram uma demonstração de passos de suas danças folclóricas. Os anfitriões, impressionados, gostaram e passaram a imitar esses passos introduzindo-os no folclore local, dando origem ao famoso "frevo".

A cultura libanesa: música - influência no samba, instrumento de percussão "adufe" deu origem a um tipo de batida de samba.
Danças - dança do véu.
Culinária - entre as inúmeras iguarias da cozinha árabe, duas podem ser encontradas em qualquer lugar do brasil: o kibe e a esfiha.
Os Espanhóis deixaram para nós, como herança cultural, a tourada, danças como a dança do ventre, flamenco, sapateado. A maneira de se vestir está presente na vestimenta do gaúcho. Também há influência espanhola na alimentação dos gaúchos pelo fato de eles terem a carne como base alimentar.

Os portugueses trouxeram a religião católica para o Brasil com a intenção de converter os índios. Mais tarde, também ensinaram a religião aos escravos negros.
A dança pau-de-fita é de origem portuguesa, sendo uma dança típica de festa junina.
Os portugueses trouxeram todas as festas religiosa como o Natal, Festa junina e Folia de Reis. O carnaval brasileiro foi iniciado pelos portugueses com o nome de entrudo, era uma brincadeira de rua.
Nós usamos a Língua Portuguesa com alterações de sotaque e de algumas palavras.
Na alimentação, a Influência Portuguesa aparece com a chegada das famílias e de suas senhoras que trazem novas receitas, louças e impõem toques de requintes nas mesas mineiras. Exemplo: Pão de Queijo, Lombo de Porco, Frango com Quiabo. Os tropeiros trouxeram feijão tropeiro, barreado, arroz, peixada, bacalhoada, vinhos, pastel de santa clara, salada, fios de ovos e outros.
Os principais hábitos são: morar em casas, ler livros e escrever, usar talheres, se vestir e calçar sapatos, dormir em camas, usar medidas como graus centígrados, metros e quilos.
Culinária: sopas, cozidos, mingaus, caldo verde, bebidas destiladas, cuscuz. Hábito de beber sucos. Pratos à base de arroz ; frango assado; feijoada e laranja; o famoso bacalhau. Folclore: lobisomem, mula-sem-cabeça, sereia, saci e bruxa.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário